Animes, Cinema, Críticas, Sem categoria

Fullmetal Alchemist: Uma Live Action “Rushada”

20180219-fullmetal-alchemist-live-action-poster-01-pn.jpg

Rushado. Lembrem-se bem dessa palavra, pois é a que mais representa este filme durante todo o enredo.

Já adiantando algumas coisas aqui: se você é fã de FMA (Fullmetal Alchemist) e/ou FMAB (Fullmetal Alchemist: Brothehood), é bom se preparar psicologicamente antes de assistir o filme, como em qualquer outro live action.

Para quem não conhece, a história conta sobre dois irmãos muito talentosos na alquimia, que, após a morte da sua mãe, tentam realizar um tabu para qualquer alquimista: a transmutação humana. Porém, tudo dá errado e, por causa disso, Alphonse perde seu corpo e Edward a sua perna. Numa tentativa desesperada de trazer o irmão de volta, Ed fixa a alma de Al em uma armadura em troca do seu braço. Anos se passam e agora acompanhamos a jornada dos irmãos em busca da Pedra Filosofal, artefato o qual pode realizar tudo o que o portador quiser, inclusive trazer seus corpos de volta.

Já no início, somos apresentados a uma fotografia e uma CGI decentes. A caracterização dos atores é um dos pontos altos e não deu para não se incomodar com a peruca/aplique do Ed.

Mas, vamos aos verdadeiros problemas. O primeiro é a atuação. Desconsiderando o choque cultural da atuação oriental, e tirando o ator do Major Hughes, nenhum dos outros conseguiram me passar a essência dos personagens no anime. Principalmente a Winry e o Ed, nos quais os atores pareciam que estavam fazendo um dorama, querendo ser os mais fofos possível.

3355307-fullmetalalchemist.jpg

A CGI começou muito bem. A armadura do Al estava perfeita, por exemplo. Mas o resto da computação gráfica passou de algo aceitável para bonecos de borrachas super estranhos, que pareciam que ainda faltava mais uma camada de renderização. Mostrando que, provavelmente, faltou orçamento no meio para o fim do filme.

E aqui vem o principal defeito: o diretor e o roteirista tentaram rushar boa parte dos acontecimentos do anime em 2 horas de filme, o que deixou tudo muito mal explicado e superficial. Nada tinha peso, nada tinha emoção. Nem o arco da Nina, que é um dos mais emocionantes do anime ficou legal. Além de não terem colocado vários personagens icônicos da obra no filme.

O clímax final do filme foi algo inventado pelo diretor. Nada contra criar um final original para o filme, mas foi algo tão mal trabalhado, que demonstra mais ainda a superficialidade de toda a trama. O tempo passa, o filme termina e não é possível se impactar ou se importar com nada direito.

Mas se você é fã da obra original, vale a pena dar uma olhada. É uma adaptação melhor do que aquele lixo cof cof Death Note cof cof. E toda a ambientação e a caracterização dos personagens faz você saber que você está assistindo uma verdadeira adaptação de FMA. Então se você não tem muita frescura, vale a pena dar uma olhada, por mais rápida e superficial que a história tenha sido contada.

Apenas uma dica final: assista ao filme DUBLADO, pois a atuação dos dubladores brasileiros é infinitamente melhor do que os dos atores originais. Sem contar que boa parte da equipe que dublou os dois animes está participando do filme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s